Sindaema cobra da Tubomills respeito aos direitos dos trabalhadores

O Sindaema cobrou da Tubomills, via ofício enviado à empresa, o cumprimento do Acordo Coletivo, após receber denúncias e verificar várias irregularidades da terceirizada.

Entre as violações aos direitos dos trabalhadores estão: curto intervalo de descanso entre as jornadas, excesso de horas extras, demora na entrega de contracheques, hotéis de baixa qualidade para hospedagem do trabalhador fora do local de serviço e refeitório insalubre.
O Sindaema flagrou em um dos canteiros da Tubomills um trabalhador que havia trabalhado até aproximadamente meia-noite e retornado à empresa às 7 horas.
Ou seja, eram menos de 6 horas de descanso, sendo que são necessárias no mínimo 11 horas de intervalo entre uma jornada e outra.
O sindicato solicitou aos responsáveis que dispensassem o trabalhador, pois a prática fere a legislação trabalhista e o fundamento da “dignidade da pessoa humana”, contida no artigo primeiro da Constituição Federal.
Trabalhadores também relataram pressão para a realização rotineira e excessiva de horas extras, o que caracteriza mudança na jornada de trabalho.
O empregado não é obrigado a cumprir mais do que sua carga horária contratual de 44 horas semanais, pois outros requisitos essenciais à vida digna são garantidos pela Constituição Federal, como saúde, educação, moradia, lazer, entre outros.
Outro fato desrespeitoso foi constatar que trabalhadores estão sendo colocados em hotéis de baixa qualidade quando têm de realizar atividades fora do seu local de trabalho habitual.
Em plena pandemia de Covid-19, os funcionários são obrigados a dividir quarto e banheiro com dois ou três colegas, um descaso com a saúde e segurança do trabalhador e de suas famílias.
No canteiro de Vila Velha, mais uma irregularidade inconcebível: o refeitório, além de inadequado, é frequentado por ratos e outros animais, uma situação repugnante.
Como se não bastasse o trabalhador ter de enfrentar uma doença que o impossibilite de trabalhar, quando retorna do auxílio-doença, ele tem descontado no seu contracheque o plano de saúde, deixando o empregado sem nenhuma renda naquele mês. O contracheque, inclusive, tem sido entregue com atraso.
O trabalhador ainda tem descontados de seu salário valores referentes a reparos de veículos da empresa, sem a devida apuração de causa do acidente ou incidente, imputando a culpa do fato exclusivamente ao empregado, que ainda recebe advertência.
Todas essas situações causam tremendo desrespeito aos direitos do trabalhador, além de criar um ambiente de insegurança e incertezas entre a categoria.
O Sindaema espera que os responsáveis solucionem as irregularidades o mais breve possível, pois vai continuar cobrando até que todas as violações aos direitos do trabalhador sejam sanadas.
CONVÊNIOS